A odisseia pelo registro de nascimento da nonna

E a odisseia pelo registro de nascimento da nonna continua… nunca o nome deste blog fez tanto sentido!!

Na última postagem, citei que havia enviado e-mail para o Comune do antenato solicitando uma busca pela certidão de nascimento da filha dele, a nonna, nos registros do Ufficio di Stato Civile, já que ela morou lá na Itália com os pais por um bom tempo. Enviei a mensagem em um dia à noite, e no dia seguinte, quando acordei, já haviam me encaminhado uma resposta. Apesar da agilidade, a resposta foi negativa, infelizmente.

Essa notícia foi bem desanimadora, mas não desisti. Resolvi procurar novamente em São Paulo. Fiz um mapeamento dos cartórios mais próximos dos locais que a família morava e/ou frequentava, e entrei no site de cada um para saber como funcionava o sistema de busca de certidões. A maioria deles só realiza a busca presencialmente, mas alguns realizam a busca por meio de solicitação por e-mail, gratuitamente.

Comecei a utilizar os sábados para ir aos cartórios pessoalmente solicitar a pesquisa. O que não é uma tarefa tão simples, pois aos sábados os cartórios só abrem das 9h às 12h, necessitando de algum planejamento no deslocamento até cada um (afinal, por aqui o trânsito é uma “beleza”). Nos primeiros cartórios que fui, o atendimento foi bem rápido, fizeram a pesquisa nos livros na hora, (sempre solicite a pesquisa nos livros, não aceite pesquisas feitas somente no sistema) e gratuitamente, mas nada foi localizado.

No cartório da Santa Cecília, conversei longamente com uma funcionária de nome Sônia, que nos esclareceu que no período era muito comum este tipo de auto-registro feito após os 18 anos, geralmente para o casamento. Contudo, como comentei que ela havia viajado para a Itália com poucos meses de vida, ela me alertou para o fato de que ela não poderia ter viajado sem um documento de identificação civil, o que reacendeu alguma esperança.

Tenho o passaporte dela, emitido em Nápoles em 1934, quando do retorno para o Brasil, mas não tenho o passaporte utilizado na ida para a Itália. Contudo, acredito que para fazer o passaporte foi apresentada a certidão de nascimento. Tentei descobrir se é possível localizar o prontuário deste passaporte antigo junto à Polícia Federal, mas até agora não consegui nenhuma informação a respeito. No site do Arquivo Nacional só consegui localizar a lista de passageiros do navio em que ela e a família retornaram ao Brasil, mas este documento não tem nenhuma informação relevante, e nem utilidade.

195.JPG
Foto da nonna, aos 9 anos, em passaporte emitido em 1934

Paralelamente a esta pesquisa sobre o passaporte, continuei a pesquisa nos cartórios. Depois de ir a uns 3 ou 4, e ter pesquisado na hora e gratuitamente, mas sem localizar nada, comecei a expandir o número de cartórios a visitar. E aí que começaram a aparecer aqueles que cobram para fazer a pesquisa (sendo aproximadamente R$ 15,00 por década) e ainda demoram até 10 dias úteis para dar uma resposta.

Como não tinha outro jeito, acabei pagando para fazer as pesquisas. Agora só resta ter paciência e continuar procurando nos outros cartórios!